Sou da duvida a pergunta, não a resposta... e isso por si só me basta! Não sou um ponto de ?interrogação? Mas, uma pausa no tempo... onde as reticências recitam poesia...

"Sou gaúcha é isso é certo, traga a chama da emoção o amor por está terra... honrando sua tradição!"


sábado, 24 de novembro de 2012

Poesia do livros "Nas asas da borboleta" Inoema Jahnke, com lançamento em dezembro2012
















Ampulheta do tempo

Ampulheta do tempo
Escorre de grão em grão,
Arei vivida já escorrida
Vira pó não volta a ser grão.

O tempo me escorre entre os dedos
A vida me escapa das mãos,
Retorna o grão a poeira
Nuvem dissipando no tempo
Fumaça lembrança em pensamento.

Não posso parar o tempo
Não posso andar pra traz,
Só posso sentir saudade
Que a fumaça me traz.

Retenho em mim a areia
Saboreio cada grão
Que escorre da ampulheta
E me escapa das mãos.



“O maior erro que podemos cometer é parar com medo de errar, 
o tempo é algo que não volta atrás desperdiçá-lo parado é errar duas vezes!”


Poesia do meu mais novo livro, "Nas asas da borboleta" 
antecipando aqui pra vocês, o lançamento é em dezembro/2012

3 comentários:

  1. Parabéns Inoema, me avisa o dia do lançamento quero mais este na minha biblioteca. Abraços e boa sorte!

    ResponderExcluir
  2. Linda poesia, dá para imaginar como será este novo livro, estou esperando o meu exemplar
    grande abraço e parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Olá Inoema, quando tempo eu não postava um comentário né, o blogspot o briga a ter conta para comentar e como eu desabilitei meu blog, bom, mas vamos ao comentário, eu goste bastante desta poesia e o nome "Ampulheta do tempo" é forte, a poesia tem propriedade e emoção as quais já são tua marca registrada, estou encioso para ler o novo livro, parabéns por mais este passo, um grande abraço.
    Luciano Medeiros

    ResponderExcluir