Sou da duvida a pergunta, não a resposta... e isso por si só me basta! Não sou um ponto de ?interrogação? Mas, uma pausa no tempo... onde as reticências recitam poesia...

"Sou gaúcha é isso é certo, traga a chama da emoção o amor por está terra... honrando sua tradição!"


quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Presente de Deus



















Presente de Deus

Beije ou simplesmente deixe-se beijar
Abrace, de a mão, cante uma canção
... Ame de todo o seu coração!
Dance na chuva, jogue bola de terno
Trabalhe de chinelos, permita-se um pouco de loucura
Porque ser totalmente sã é desperdiçar a alegria!
Sorria, seja feliz com o que você tem
Não deseje mais do que você pode se dar,
Perdoe suas falhas, aceite seus limites
Os obstáculos podem ser superados, não você!
Não há superação maior que a aceitação,
Não lute contra a vida, mas pela vida,
Diga Eu TE AMO sem reservas, sem pudor,
A todos aqueles que você sentir amor,
Não deixe pra depois nem um beijo,
Nem um carinho... nem um abraço
Para, o amor, não existe cansaço,
Ore, peça, mas não reclame... não maldiga tua sorte,
Quando você não a percebe é ai que tem que ser forte
Sobretudo AGRADEÇA, pois você tem o mais precioso
O que de mais valioso podemos desejar, a vida!
Agradeça por cada respiração
[...] Cada batida do teu coração!

Reticências...

Reticências

Sou reticências em folha pousada...,
Poesia inacabada há muito a escrever;
Sou reticências declarando a emoção
Nem duvida... nem esquecimento,
Mas... um ai... que escapa no tempo!...


“ Sou da duvida a pergunta não a resposta... e isso, por si só me basta,
não sou um ponto de interrogação, mas... uma pausa no tempo
onde as reticências recitam poesia...”

Assim de repente

Assim de repente

De repente a porta abre
O vento entra, leva a poeira
Revira os cantos, seca os prantos.
De repente a porta some
O sol invade, a alma inflama...
De repente troca-se o ar
Aquece-se o ambiente
E a vida fica bem mais contente!
Assim... de repente!

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Dependência - Acróstico na luta contra as drogas - Drogas diga não!


















Dependência

Deus nos ajude nesta luta que é dura
Entre drogas e viciados há muitos desesperados
Partes doloridas que latejam por toda a vida
Eternamente alerta requer muito esforço
Não há saída fácil, lutasse todos os dias mais um pouco
De fato a vida tornasse um fardo
Exaurido o corpo, a alma e o coração
Na luta pela libertação, na busca da salvação
Caímos e levantamos, diariamente lutamos!
Implícita em cada passo, -um dia de cada vez-
Abstinência controlada, mas nunca ignorada!
.


Outra dimensão - Teus sonhos ocultos pra mim, são enigmas de outra dimensão...















Outra dimensão

Não mergulhe em sonhos tão profundamente
Podes despertar muito longe de mim,
Não sabemos onde os sonhos podem nos levar
Eu “tremo” só de imaginar
Que em teus sonhos não posso te acompanhar.

Ocultos pra mim, são enigmas de outra dimensão
Onde não pode te alcançar minha mão...
Invisível a os teus olhos sigo te vigiando
Te cuidando, te amando...

Desperta logo sonho meu
Pega na minha mão,
Desfrute comigo a realidade
Que é de pura, pura felicidade!

Em ti tenho meus sonhos realizados
Você é meu legado,
Meu menino, meu amado,
Meu sonho pré-destinado!

I'm just, and only I...


Refuge


I'm just, and only I,
Loneliness is my refuge
My moment of meditation,
To listen to my heart
Transcending the word,
In absolute union
In contemplation,
What eludes all understanding.

Náufrago - Poesia do livro IMORTAL 2008




Náufrago do amor

É noite em meu coração
Sinto um frio ártico em minhas veias,
Não há mais o calor do teu corpo
Nem a luz dos teus olhos,
Estou perdida na solidão
E não sei que rumo seguir,
Perdi meu farol...
Minha estrela guia,
Uma tempestade de lágrimas
Açoita minha alma, noite e dia,
Num martírio sem fim,
Meus lábios, sedentos dos teus beijos,
Emudeceram a minha voz,
Estou surda...
Não ouço mais os pássaros,
O murmúrio do riacho,
Não ouço mais nada...
Estou ilhada em mim, abandonada,
Náufraga do amor,
Nessa ilha de solidão
Que virou meu coração.


LIVRO IMORTAL 2008

Beija-flor...

Beija-flor

Deus na sua sabedoria
No auge da criação,
Sentiu a necessidade
De mostrar à humanidade
O seu infinito amor,
Soprou no vento a poesia,
Plantou no campo uma flor
E no bico do beija-flor
Semeou a magia
Proliferando o amor,
Um raio cruzou o céu...
A água veio ao chão...
E regou com carrinho

A mais bela criação!


Uma primeira vez...


















Sim deve ter havido uma primeira vez

Sim, deve ter havido uma primeira vez,
Embora não me lembre dela,
Assim como não lembro as outras vezes
Em que fui tão imprudente,
Onde não pesei as consequências
E pagou meu coração,
Sim, deve ter havido outras vezes
De desespero, medo e solidão
De total, total devastação...
Estou mais uma vez a beira deste abismo,
Repensando minha história,
Este fracasso eminente que me diz
- Que não vou conseguir -
Que é hora de desistir,
Já ecoou em meus ouvidos outras vezes
E sem conseguir se fazer escutar
...teve que se calar,
Já caminhei antes na escuridão,
As pedras são conhecidas nelas já tropecei,
Porém a saída já me foi ensinada
Eu sei, sei caminha nesta estrada!
Já escalei o penhasco das desilusões que passei,
E sei que mais vezes imprudente eu serei
Pois minha alma aventureira é guerreira,
Só vai para de lutar ...
Quando o verdadeiro amor encontrar!

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Orgulho gaúcho repostado em homenagem a semana farroupilha.












Orgulho gaúcho

No sul quando nasce o dia
Nasce também à magia,
Esta estranha alegria,
Que se tem ao respirar.

Cevo um mate amargo
Do lado do meu amado,
Em silêncio uma oração
Agradece meu coração.

Agradeço minha terra
Meu pampa sul-rio-grandense,
O Patrão velho lá no céu
Por certo está contente.

Por ver tanto orgulho
Pela sua criação,
Que traz cada gaúcho
Dentro do seu coração.

Sou gaúcha, e isso é certo!
Trago a chama da emoção,
O amor por esta terra
Honrando sua tradição.

Reconheço a beleza
Da nossa amada querência,
Ressaltando  na consciência
A minha essência gaúcha.

Fiel as suas tradições
E disso, não abro mão!
Churrasco campeiro...
Fogo de chão...

E um gostoso chimarrão
Nos braços do meu peão.


domingo, 8 de setembro de 2013

Maus-tratos, maltreatment, malae tractationis, misshandel...












Maus-tratos

Não permita que a ira
Seja arma contra alguém
Criança, jovem ou idoso
Maus-tratos é um ato monstruoso,
Não permita que a crueldade
De alma sem coração
Seja desferida e fique sem punição,
Se a vítima é incapaz de se defender
Todos nós temos que lhe socorrer,
Não se permita ser indulgente, pare e pense!
Quem maltrata também pode estar doente,
Mas, a vítima, é sim o inocente!



Semana farroupilha - Aventura no travesseiro.












Aventuras no travesseiro

Tive um sonho meio guapo
Sonhei que era maragato,
De lança e espada na mão,
Lenço amarrado ao pescoço
Pelejando que dava gosto,

Meu cavalo ventania
Pingo malhado
Bem postado
Era minha companhia.

Zumbia lanças ao vento,
Retinia o aço da espada,
Daqueles bravos gaúchos
Que lutavam a meu lado,

Anita de Garibaldi
Passou por mim galopando,
Lado a lado com Garibaldi
Pelejando, pelejando.

Lanceiros negros
Lanças na mão
Com o bravo Teixeira Nunes
Lutando por este chão.

Índios guaranis
E seus cavalos
Tinham pra todo o lado,
Flechas cortando o minuano gelado.
  
Chimangos e maragatos
Escravos e guaranis,
Sepé Tiaraju herói missioneiro,
Todos os bravos guerreiros.

Juntos lado a lado
Lutando por este pago,
Defendendo nosso estado
Este rincão amado.

A história passou por mim
Como um livro desfolhado,
Cruzando época, tempo, espaço...
Fazendo um estardalhaço.

Dormi lado a lado com o passado
Lutando, pelejando,
Neste mundo encantado
Que trago em mim guardado.

Onde todos os nobres guerreiros
Me encontrarão no entrevero

Em novas aventuraras
... no meu travesseiro!


Rio Grande do Sul














Rio Grande do Sul

Aqui no Sul do Brasil
Onde o campo é mais verde
E o céu é mais anil.

Aqui coxilha, campo ou pago
Cidade, campanha ou rincão
A beleza pra todo o lado
Ressaltando este chão.

Aqui o vento é minuano
O tempo é campesino
Que aprende amar
Todo o gaúcho desde menino.

...aqui tempo e vento
Recitam a historia
Campeando campo afora!


quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Choro da natureza - Não podemos o passado mudar, mas podemos sim o planeta preservar!










Choro da natureza

Você que usa nosso planeta
Como se fosse tua lixeira,
Destrói a natureza nossa proteção
Dia a dia sem dó no coração.
Destrói matas, seca rios, polui mares
Polui...destrói e nos condena
Que pena!...
Temos que acabar com este circulo vicioso
Que destrói a natureza
Nosso bem mais precioso.
Usamos e abusamos da sua proteção
Desfazemos de suas riquezas,
Matamos suas belezas.
Então...chora a mãe natureza...
Correm as águas, transbordam os rios
Deslizam montanhas, rolam pedras ,
Treme a terra, racha o chão...
Ira sim, mas com certeza não da mãe natureza
Ira do homem contra si
Ser irracional que causa o próprio mal,
Raios, trovões, relâmpagos...
Porque tanto espanto
Com o choro da natureza,
Queriam que ela sofresse calada!
Que não nos cobrasse nada?
Temos que punir os culpados
Desenvolver a consciência
Da real situação,
Ninguém é vitima totalmente inocente
Foi no mínimo negligente
Não basta apontar os culpados
E lavra as mãos,
Ser conivente com esta destruição.
Não podemos o passado mudar
Mas devemos sim
-O planeta preservar!-