Sou da dúvida a pergunta, não a resposta... e isso por si só me basta! Não sou um ponto de ?interrogação? Mas, uma pausa no tempo... onde as reticências recitam poesia...

"Sou gaúcha é isso é certo, traga a chama da emoção o amor por esta terra... honrando sua tradição!"


quinta-feira, 17 de março de 2011

Poesia Imortal
















Imortal

Procuro uma canção
Em que meu amor se reconheça,
Apenas uma melodia
Capaz de alegrar o dia,
Fácil de cantarolar
Como é amar,
Um solo de violão
Que bata na batida do coração,
Que pra se reconhecer
Não tenha que prestar atenção,
Onde até os desatentos
Possam sentir a alegria do amor,
Amor imortal como a vida,
Que renasce a cada batida!

Fotografia da publicitária Luana Jahnke.
Por do sol no Rio Grande do Sul.

terça-feira, 15 de março de 2011

CATARATAS DO IGUAÇU

Cataratas do Iguaçu
A palavra é imensidão,
Tudo aqui é de grande proporção
Aqui, a visão se propaga... projetada
Amplia a sensação de espaço e tempo,

Em meio a tantos timbres diferentes,
A audição é testada... aguçada
Entre sussurros de espanto e admiração,
Gritos abafados pelo pujante estrondo das cachoeiras
Ao mais singelo e silencioso respigo de água sobre a pele
...quente e ofegante pelo frescor das corredeiras;

Aqui o eco não se propaga é abafado subjugado
Pela força das cataratas,
Aqui, ecoa a emoção a amplitude do belo,
Do quanto perfeita é a beleza da natureza!

Ela -a emoção- projetada na visão
É refletida nas imensas quedas d’águas
Retorna e entra pelos poros inunda a alma,
Ondas de excitação e calma
Percorre o corpo em um delicioso arrepio,
De calor e frio.

E nesse momento acontece o êxtase das sensações
A liberdade de emoções da alma liberta
De olhos fechados e braços abertos
O corpo flutua surfa na emoção
Na mais profunda contemplação.

Este orgasmo da alma revigora
... purifica cada célula
Preenche relaxa a mente,
O coração tem seu fluxo cadenciado,
Como se o peito fosse leito de um rio de emoções
E a cada pulsar o coração festejasse a liberta,

A face encharcada torna imperceptíveis as lágrimas
Que se misturam a água que deságua
Das cascatas das imensas cataratas
Em silenciosa poesia de agradecimento e contemplação

Aqui... a palavra é imensidão! 
 
   

sexta-feira, 4 de março de 2011

NAS ASAS DA BORBOLETA


NAS ASAS DA BORBOLETA

Sou no mundo um passante, andarilho dardejante
Olhos ávidos, deslumbrados de beleza...
Sou no mundo borboleta, nem lagarta nem casulo
Não rastejo na miséria, não me escondo na riqueza

Do mundo não quero a tristeza... o medo a insegurança
Quero a alegria das cores, a liberdade da esperança,
No mundo, eu não serei apontado por ser mal educado
E não tratar com cuidado a casa que me acolheu

E quando chegar o fim do voo da borboleta
Ficarei nas cores e nos sorrisos
Deixarei o mundo mais colorido nas asas da borboleta!