Sou da dúvida a pergunta, não a resposta... e isso por si só me basta! Não sou um ponto de ?interrogação? Mas, uma pausa no tempo... onde as reticências recitam poesia...

"Sou gaúcha é isso é certo, traga a chama da emoção o amor por esta terra... honrando sua tradição!"


terça-feira, 27 de setembro de 2016

A vida nós cobra a música, porém, é o tempo quem nós cobra a dança!...



O tempo nos cobra a dança

Sabe aquele navio que ao longe apita...
Que no horizonte nublado tão longe fica?
Sabe aquela música que não sai do pensamento
Feito faixa repetida toca a todo o momento?

Sabe quando você não consegue dormir
Não consegue comer e não adianta insistir?!...
Sabe quando dormir é dolorido
Mas acordar é ainda mais doido?

É quando repensamos os passos dados...
Cantarolamos a melodia tentando acertar o compasso...
E descobrimos que a vida nós cobra a música,
Porém, é o tempo quem nós cobra a dança!...



Porque viver é sim, enfrentar as tempestades...



        Tem momentos em que um temporal se forma dentro da nós... As fortes rajadas de vento rasgam a pele, os relâmpagos são tão fortes que por instantes perdemos a visão, sem ter como fugir, procuramos o lugar em nós que é mais seguro e suportamos a tempestade.

        Após os trovões e raios vem a chuva e vai, apagando o fogo dos raios, vai lavando as feridas causadas pelo vento... Então, como um tsunami leva tudo que se desprendeu de nós com a força da tempestade... a chuva passa, e despertamos sobreviventes em uma praia bem longe de onde estávamos.

       Solitários, devastados, buscamos no instinto da sobrevivência... força, e mesmo com muita dor ficamos de pé e damos o primeiro passo deixando na areia não lágrimas, mas pegadas, a sensação de devastação só não é mais forte, que a esperança no sol que aponta no horizonte e alimenta a fé de outros dias.

          Após uma tempestade o cenário muda e quem sobrevive ao caus... nunca mais é o mesmo.


quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Direito autoral. Sou gaúcha, e isso é certo trago a chama da emoção o amor por esta terra... honrando sua tradição.

     Meus queridos, permitam um desabafo dessa poetisa; estou bastante chateada, é só fazer uma pesquisa na net para ver o desrespeito com os poetas, poesia é sim para ser compartilhada, é feita para levar emoção aos corações e sim nós as postamos, mas isso não dá o direito de nos intitularmos autores, o que me chateie muito não é ver minhas poesias órfãs da minha autoria, mas vê-las postadas e assinadas por usurpadores que sequer sabem rabiscar um verso, sim, pois se soubessem entenderia porque o mundo está cada vez mais pobre de poesia, o único pagamento que os poetas recebem é justamente o reconhecimento. Chateada!...


Um desabafo não do criador, mas da criação...

sou poesia, rimas escolhidas
emoção expressada em versos,
sou sentimento recitado...
E em letras rabisca,

Sou parte do meu criador

do poeta que sentiu a dor
que sorriu a alegria
e que sorveu o amor,

sou sussurro livre a quem quiser ouvir

lágrima jamais contida, sou tinta... sou tinta,
sou alegria escancarada, gargalhada ecoada
...que despertam a madrugada.

sou, rastilho de pólvora no coração...
sedenta boca a sussurrar emoção,
sou desabafo sibilando ao vento,
de tristeza, alegria... sou alento,

Leve-me em tuas mãos, compartilhe-me com emoção
No celular, tablet, note ou rabiscada em um papel
Mas não deixe-me órfão ao leo


Mantenha junto a mim 
a minha filiação.


...




quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Semana Farroupilha














No Rio Grande do Sul
Como quem aninhasse no calor dos pelegos
Como quem veste um pala, sorve um mate...
O sol, guri gaúcho de fogo nas ventas,
Pastoreia as coxilhas e vai derretendo a geada,
Na grama, gaudério gelo ainda adormecido...
Vai escorrendo em orvalho feito suor na testa do caudilho.