Sou da dúvida a pergunta, não a resposta... e isso por si só me basta! Não sou um ponto de ?interrogação? Mas, uma pausa no tempo... onde as reticências recitam poesia...

"Sou gaúcha é isso é certo, traga a chama da emoção o amor por esta terra... honrando sua tradição!"


terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Face exposta não há como negar a lágrima clandestina que naufraga no olhar...

 

Como explicar quando tudo parece engano? ...

A energia vai se esgotando e não se renovam as forças,
Sorrir fica dolorido e chorar se torna normal,
Será tristeza? Esta angustia que solitária vaga pelo peito...

Não se sabe onde aconteceu, nem quantos cometeu,
Mas percebesse os erros, em devida proporção
Que não só o coração é capaz de medir, mas a alma consegue sentir...

Será tristeza esta dor permanente que parece se divertir com os ais
Latejando em procissão, camuflada aqui e ali vai mudando de direção
Tornando precipitadas as batidas do coração...

De repente feito ave em tempestade sentisse medo de voar,
E percebemos que em algum momento
Perdemos a coragem de andar...

Como aceitar que falhamos que cometemos enganos,
De repente nos vemos refazendo os planos
Remendando os sonhos... descartando os enganos.

De repente sentisse sede, sentisse frio,
Mas permanecemos vegetativos de nós mesmos
E negamos nossas emoções, camuflamos nossa dor.

Para desespero de nossa alma o coração se cala
E o amor seca feito rio sem nascente!
Deixando este frio permanente!...



Sabor de pitanga - O jogo acabou o goleiro se despediu...




sabor de pitanga...

Olho e vejo a goleira vazia
o campo deserto...
mas a rede continua presa a trave...

Os gritos, a torcida... a emoção
ainda balançam a rede... e aceleram o coração.

O jogo acabou o goleiro se despediu,
mas a rede... continua presa a trave!...

no jogo da vida festeje os gols,
drible a marcação, acalme o coração,
 mas a nunca esqueça a goleira!




quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Oceano do tempo


















No horizonte a tempestade se aproxima,
Os mares das águas da vida revoltos
Quebram os sonhos nas pedras...

Os corações são arrastados pra longe da praia,
Congelados, icebergs esvaídos de calor...
Jaz no leito do oceano do tempo mais um amor.


Sabedoria de mãe...

        

    Certa vez eu li em algum lugar, não lembro bem onde, mas recordo-me bem da frase: “A mãe ora e o filho chora”, quando li essa frase, era uma guria bem jovem, recordo-me de ter ficado muito perplexa, como assim, desde quando, orar é motivo pra chorar? Pensei comigo que a frase deveria estar inversa o certo seria “o filho chora e a mãe ora”, sim seria o mais prudente, mas não a frase estava correta eu que na minha pouca idade não podia compreender a magnitude das palavras ali escritas, porém hoje entendo o significado real das palavras, as mães são abençoadas com o “pressentimento” uma espécie de ligação que ao contrario do cordão umbilical, nunca é cortada e por ter essa ligação tão sagrada com os filhos à mãe sente quando o filho(a) vai chorar, muitas vezes antes mesmo dele saber, dai a frase. “A mãe ora e o filho chora”; hoje sei que a mãe não espera seu filho chorar para depois orar, ela reza vigilante pelo seu sorriso, e às vezes ora solidária com seu pranto para que as lágrimas lavem toda a dor e regue a esperança na certeza da proteção de Deus.

"Após abrir os olhos meu filho mudou todo o meu mundo, ali eu soube que não era ele que me pertencia, mas eu que para ele a partir daquele momento viveria..."