sexta-feira, 27 de julho de 2018



Meu corpo é uma tela, onde meu eu se expressa através de pinceladas de emoção, amor e vida; você pode até admirar, mas nunca se esqueça, a liberdade de propriedade que me assiste impede a opinião de "críticos de arte."

quinta-feira, 21 de junho de 2018

...as bipolaridades irritam e a vida se faz em sobre saltos.



Como viver assim nessa inconstância...

Chega uma fase na vida em que, não se consegue mais lidar com a inconstância, as incertezas incomodam, as bipolaridades irritam e a vida se faz em sobre saltos.

 A vida é feita de fases e, uma a uma, vamos superando e evoluindo, a fase das birras infantis, do egoísmo adolescente, das incertezas juvenis, da arrogância adulta e da serenidade madura. As fases existem para serem superadas, para evoluirmos no aprendizado e nos tornarmos seres humanos potencialmente humanos, o problema é quando não identificamos o final da fase e acumulamos defeitos como se fossem bônus, somatizamos erros a o não  absorvermos a sabedoria dos passos, e adultos agem como crianças que desconhecem o não e assim desvalorizam o sim, nesse caminho o egoísmo e fortificado na crença que a eles tudo pode, mas na fase adulta a vida impõe os nãos e as incertezas que não foram superadas são gritantes, então, a arrogância toma as rédias e infelizmente este ser infantilizado chega a fase final sem conhecer a serenidade madura que traz pás de espírito e tranquilidade emocional.



segunda-feira, 18 de junho de 2018

Poesia gaúcha, poeta Inoema Jahnke "Brasão farroupilha"








Brasão farroupilha

Meu velho manto sagrado de pala a coberto
Sempre com muito valor te levei na minha encilha,
Hoje te trago por cima dos meus joelhos dobrado
Pois sei que no meu passado, muito tu me cobri-o
Da chuva, do vento e do frio...

Hoje, porém estou velho não monto só pastoreio...
Quando me despedir dos arreios que encilham esta vida
E se fizer liberta minha alma farroupilha
Te levarei jaz ali...jogado por cima,
Minha mortalha, o meu brasão farroupilha.


Aqui o exterior se espante da mesma forma que o interior se espreguiça...




 A quem acredite que o dia é o início da noite. Eu, eu prefiro pensar que é a noite que inicia o dia. Na noite me recupero me preparo para startar o processo. 


      Zerar o relógio? Não, de forma alguma, cada segundo me valeu, cada momento que vivi me fez quem sou, cada pedra, cada grão de poeira, cada gota de suor me trouxe até esse momento.

       Envelhecer é uma questão de escolha sim, eu escolhi seguir o meu relógio biológico não o do mundo. Minha pele é preguiçosa. Tem pouca vontade de envelhecer, há muito viço no olhar, muitos sorrisos pra encantar, que a idade não se atreve a intervir e deixa o processo correr na velocidade que o interior determina.
        Aqui o exterior se espante da mesma forma que o interior se espreguiça...

      A alegria é coisa que não vem de fora, mas de dentro, só assim sei que sou realmente feliz, porque indiferente do quando é o onde que me ilumina.

      Lágrimas, sim as uso com certa frequência, são abundantes e refrescantes, quando quero vaso, deixo as emoções fluírem feito o rio que sou, sim sou água que flui, rio em movimento, tenho cachoeiras, pedras e areia, mas sobre tudo tenho pontes que me cruzam, que me encontram e me preenchem, sou constante movimento de vivacidade real...

      Amores? Tudo oque amo uma vez, amo sempre, isso vale pra gostos, cheiros, lugares e pessoas...sou única e múltipla, sou várias versões de água, lágrima, suor, rio, mar, praia, chuva pesada e garoa fina, mas água fluida, límpida...Se refresco, se afogo ou mato a sede é uma questão de escolha, mas não se engane essa escolha é sempre minha!


...O rio que sou...



terça-feira, 12 de junho de 2018

Dia dos namorados


Hoje em especial a poesia se vestiu de amor e o amor relatou a sua falta.

...saudade é a falta de algo ou alguém que não se tem mais, e eu, eu te tenho sempre bem aqui em mim...Sinto saudade do nosso tempo juntos de todos os anos...do caminho que já trilhamos, mas de ti não sinto saudade sinto falta, falta da tua mão na minha, do teu barulho pela casa, a tua alegria matinal, o teu senso de humor debochado e contagiante...falta do meu ursão do teu calor na cama que nesse frio faz dela ainda maior, do cheiro do chimarrão e até das latas de cerveja na geladeira.

           A falta tua é mais que física, não é só o coração que reclama, mas já é a alma que estranha tudo...

        O teu cheiro eu tenho na memoria e em frasco aqui comigo, mas a falta do toque...isso é realmente bem dolorido, sinto como se tivesse perdido o tato, pois onde olho te vejo sempre, estás tatuado no meu olhar, mas ao toque só o vazio...

        Não é preciso estar longe pra valorizar, não é não, estar longe pra quem ama é sempre cruel...

       Na distância meus olhos podem te olhar, meus ouvidos podem te escutar, meu coração pode sentir todo o teu amor, mas não te esqueças de que minhas mãos escutam, falam e sentem só ao alcance de um abraço...


                    O amor ama além das mãos o toque, além do corpo a alma,
 além do amar hoje o amar amanhã.


quinta-feira, 3 de maio de 2018

Dia das mães - Poesia Ser mãe -












Ser mãe

Ser mãe é renascer em vida
E ter o paraíso em suas mãos,
É não se importar com a dor
Na pressa de conhecer
...seu grande amor.

Ser mãe?...É amar!
E amar amar...
É beijar e abraçar
Sem nunca se cansar.

Ser mãe é conhecer o infinito amor,
Na alegria e na dor,
É dar a vida,
E permanecer viva,
Mas não se pertencer mais.

Ser mãe?...
É o milagre da multiplicação,
Multiplicar vidas, amor,
E eterna devoção.








ser mãe é dar a vida
germinar em semente...
ser avó é ver sua semente
Reflorescer em fruto...


...não há elo mais forte que a família. é nó que não pode de ser desfeito, aço impossível de ser curvado...amor incapaz de ser violado.



quinta-feira, 5 de abril de 2018

Inoema Jahnke - Aprendendo a viver...












Aprendendo a viver...

Com a vida aprendi que cinquenta por cento
Já tá muito bom, que cem por cento e exagero,
Aprendi... Que a perfeição não existe,
E isso é o belo da vida!
Aprendi que ser metade é bom,
E completar-se é divino...
Aprendi que não a mal que dure pra sempre,
Mas isso não impede a dor.
Aprendi que desistir não é solução, mas opção!
Que o corpo não é carregado pelos pés cansados,
Mas sim...pela esperança na estrada...
Que boas ou ruins, as escolhas nem sempre são nossas,
E cabe a nós aceitarmos,
Que sim, o tempo deixar marcas no corpo...

Porém, é a vida quem deixa eternas marcas no tempo!


Postagem em destaque

O livros "No vai e vem das ondas"   esgotou a tiragem, agradeço a todos, beijos no coração! Inoema Nunes Jahnke.